Depois da 123milhas, Maxmilhas protocola pedido de recuperação judicial

NOTÍCIAS

A Maxmilhas protocolou um pedido junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) na última quinta-feira, 21 de setembro de 2023. O objetivo desse pedido é ser incluída no processo de recuperação judicial da 123milhas, que, vale ressaltar, faz parte do mesmo grupo empresarial que a Maxmilhas.

Veja também: 123milhas: sócios podem ter bens bloqueados para reembolsar clientes

Compromisso com parceiros e clientes

Em um comunicado oficial, a Maxmilhas explicou que essa decisão visa “assegurar o cumprimento dos compromissos assumidos com parceiros, fornecedores e clientes e organizar, com máxima transparência, os débitos em um só juízo.” A empresa também está confiante de que essa ação permitirá acelerar a quitação de todos os valores devidos e, assim, “restabelecer o mais rapidamente possível seu equilíbrio financeiro e operacional.”

Impacto no setor de viagens online

A Maxmilhas justificou seu pedido, mencionando os efeitos negativos no setor de viagens online resultantes da situação da 123milhas. Em agosto, a 123milhas anunciou a suspensão dos pacotes com datas flexíveis e a emissão de passagens promocionais. Embora a Maxmilhas opere de forma independente, ela reconhece que o mercado de agências de turismo online como um todo tem sido afetado, o que dificultou significativamente sua capacidade financeira.

É importante observar que a Maxmilhas afirmou que não haverá suspensão de produtos, e os clientes não enfrentarão problemas com o cancelamento de passagens ou reservas de hospedagens. Além disso, a empresa esclareceu que não existem pendências trabalhistas entre os débitos contemplados no pedido de recuperação judicial.

123milhas

Na quarta-feira, 20 de setembro de 2023, a Justiça de Minas Gerais interrompeu o processo de recuperação judicial da 123milhas após o Banco do Brasil apresentar um recurso. O banco alegou que a empresa não forneceu todos os documentos necessários para dar prosseguimento ao processo e que a lista de credores não estava incluída na petição inicial. Além disso, o Banco do Brasil solicitou a destituição dos administradores judiciais da 123milhas, alegando suposta incapacitação técnica para a realização do trabalho.

O desdobramento dessa reviravolta e como afetará o processo de recuperação judicial da 123milhas ainda permanecem incertos.

À medida que esses eventos continuam a se desenrolar, o Seu Passatempo estará acompanhando de perto para fornecer atualizações relevantes e informações adicionais sobre essa situação em constante evolução.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *